A arte de mudar

Hoje eu acordei com vontade de mudar. Vontade que tenho, todos os dias, quando percebo que nosso propósito, na vida, é evoluir como ser humano.

Procurei sinônimos para a palavra mudança e encontrei na minha pesquisa: modificação, alteração, transformação, transmutação, transfiguração, metamorfose, mutação, transição, variação, conversão, oscilação, alternativa, alternância, alternação entre outros.

Os significados encontrados pareciam tão vazios, tão sem cor, como vejo tantas pessoas tão cinzas em espaços tão coloridos no mundo.

A mudança fez parte da minha vida, muitas vezes, pelo destino, mas na maioria das vezes, porque eu mesma me lancei à mudança. Mudar sempre me deu força e oxigenação. Enquanto via o dia começar e terminar, via o meu aflorar, o meu recolher.  Um dia acertando, outros dando um passo a trás para retomar o rumo.  Isso me mostrou o quanto somos frágeis e não temos controle sobre nossas vidas. A falsa crença de que temos o controle de nossas vidas nos impede de viver a mudança.

Mudar é ficar em situação de vulnerabilidade. É saber que muitos estão a nos julgar. É não ter certeza de nada, mas acreditar que é possível. A cada passo, uma nova descoberta, um novo começo. É interagir com o mundo, como uma dança. Assim, creio que a palavra mudança deveria ser ressignificada no dicionário. Sim!!!

A palavra mudança tem mais sentido quando percebo a magia que ela nos revela  com a dança. A arte de mudar, representa, como na dança, nossa capacidade de realizar nossos movimentos singulares, de deixar nossa alma encontrar o ritmo da vida e encontrar a si própria.

Todo passo de dança é uma poesia, é arte, é inspiração.

E você, qual passo de dança você está vivendo em sua vida? Seja gentil consigo e lance-se às experiências poéticas das Mu-danças.

Lançamento de News Mensal

O projeto Coffee and Work, no qual participo como pesquisadora, é uma plataforma que aproxima pessoas que amam conhecimento e desejam criar, transformar e ressignificar seus pensamentos e crenças a respeito da atividade de trabalho.

No final do mês de abril, com uma bela curadoria de conteúdo, o projeto avançou e lançou a sua primeira News Mensal. O objetivo é conectar os leitores e leitoras às informações mais relevantes dentro das diversas áreas do conhecimento.

A curadoria de conteúdo é uma forma muito interessante de ler ótimos conteúdos digitais, primando pela qualidade, de fontes confiáveis e com sua devida contextualização. O projeto Coffee and Work está preparado para fornecer os melhores conteúdos para você. 

Gostou da ideia? Inscreva-se para receber a News Mensal!

Acesse o logo abaixo para fazer sua inscrição.

O Palácio dos Ventos

Uma das coisas que mais me faz feliz é conhecer pessoas e lugares por esse mundo afora.

Sabemos que, em tempos de pandemia, o jeito é se reinventar e fazer essa interação, com outras culturas, dentro de nossa própria casa.

Fiquei assistindo um documentário na televisão, outro dia, e tomei conhecimento de um palácio construído a uns 200 anos, na cidade de Hawa Mahal, chamado Palácio dos Ventos.

Hawa Mahal é conhecida por ser a cidade Rosa, na Índia. Este palácio é lindo, conforme mostro na imagem. Pesquisando um pouco mais sobre o palácio eu descobri que ele foi construído para que as mulheres do harém de um marajá pudessem avistar a rua sem serem vistas pelos pedestres. O palácio tem 900 janelas. Fiquei imaginando essas mulheres, sem poder sair, olhando o mundo lá em baixo.

O direito de ir e vir foi negado a elas. Ainda hoje, as mulheres sofrem discriminação e a situação piora um pouco quando se casam, pois devem servir aos seus maridos,na maioria das vezes, na Índia.

Um mundo desigual para as mulheres em várias partes do mundo, infelizmente.

A chave de tudo está na educação e no respeito às mulheres.

Hoje, estamos em confinamento por outro motivo, mas quando estiver olhando pela sua janela, em sua casa, pense nas mulheres em todo o mundo e no que podemos fazer por todas as mulheres.

Somos todos seres humanos criativos

Cheguei a pensar, por algum tempo, que eu não era uma pessoa criativa.
Você também pode ter pensado assim em algum momento de sua vida.
É, por vezes, difícil imaginar que a criatividade está dentro de cada um de nós e pode ser acessada e desenvolvida ao longo da vida.


A criatividade é um comportamento e não um departamento dentro de nós. Um cérebro incomodado, um cérebro que busca realizar associações de pensamentos, tem a capacidade de ser criativo.
O ser humano é, por essência, criativo, mas noções estereotipadas de pensamentos sociais errôneos, trazem a ideia de que o ser criativo é aquele que trabalha com artes, publicidade e etc.


Assim, eu penso que ser criativo é estar em um estado de abundância mental, ou seja, é estar conectado com seu propósito de vida e buscar transformar vidas nesse caminho. Ser criativo, no dia a dia, é a capacidade de inovar e adquirir novas maneiras de usar os conhecimentos, por exemplo, trazendo a interdisciplinaridade para o seu trabalho; é pensar de forma a realizar associações não antes pensadas, ou seja, construir maneiras diferente de solucionar os problemas, sendo flexível às circunstâncias da vida; é utilizar nosso lado sensível, nossas emoções em prol de pensamentos mais saudáveis criando assim, um ambiente receptivo para que a criatividade possa emergir.


Enfim, termino este post dizendo que a criatividade tem a ver com a maneira que você enxerga o mundo. É a maneira que podemos expressar nossa face, nossa identidade no mundo. A singularidade do ser humano também está na manifestação da criatividade ao longo de sua vida. Deixe-se envolver pela experiência da criatividade e você verá, nada mais nada menos, que a sua face refletida no mundo.

Nosso Himalaia

Imagens são narrativas de momentos eternizados. Elas nos contam histórias, traduzem momentos e fazem a gente pensar. Essa fotografia manifesta um momento em que indianos puderam ver, depois de décadas, o Himalaia.

Trago esta foto para dizer a vocês que todos nós podemos enxergar o Himalaia em nossas vidas neste momento. Da mesma forma que um rio segue seu fluxo, nós estamos sendo chamados a ver nosso próprio Himalaia.

A metáfora traduz a possibilidade de acesso ao nosso mundo interior, nossas forças e nossas limitações. Compreender nossa participação no mundo sugere ver com maior clareza o nosso Himalaia.

Além disso, a imagem também nos faz pensar na relação dos seres humanos com o planeta Terra. Uma montanha que, nesse caso, não era admirada pelos indianos devido ao excesso de poluição no ar pode revelar que quanto estamos desconectados da natureza e do meio ambiente.

O convite é para que façamos uma reflexão para buscar novas formas de se relacionar, de trabalhar e de compreender que atitudes mais generosas com nosso planeta podem trazer maior clareza e compreensão da nossa visão de mundo e de nós mesmos. Créditos foto: @khawajaks

Hamburgo Velho em Cena: a alma de um povo

Neste dia especial para nossa cidade de Novo Hamburgo, eu relembro um momento especial para mim, em 2015, quando realizei uma exposição de fotos, sobre Hamburgo Velho, no evento realizado pelos alunos do Programa de Pós Graduação em Processos e manifestações Culturais, da Universidade #Feevale, chamado #MANIFESTE-SE.

No dia de hoje, parabenizo a todos os hamburguenses pela passagem do aniversário de Novo Hamburgo. A valorização da nossa identidade, como ser humano, também começa com a valorização de nossa cidade e com o nossos ancestrais que vieram construir suas vidas aqui.

Quem tiver interesse em ver as fotos que realizei, acesse o link do post https://lnkd.in/eRTk5es . A exposição foi denominada “Hamburgo velho em cena: a alma de um povo”.

O encantamento pela vida

Hoje vamos conversar sobre o encantamento pela vida. É desafiador pensar assim quando o ser humano está surfando por ondas turbulentas. O que mais quero é que tenhamos força para passar por esses momentos difíceis e conquistar esse novo mundo que se inicia. Pode ser um tanto estranho, mas o convite aqui é para não deixar-se encantar apenas pelos aspectos negativos da crise. Seguir na tentativa de celebração pela vida é nutrir a alma com amor.

Não perca um só momento de celebração! Nossa casa passa ser o nosso lar, nosso lugar sagrado e seguro. Nossos familiares passam a ser nossos colegas de trabalho, nossa equipe para resolver problemas e nosso amparo em momentos de tantas mudanças. Nossa escolha em descobrir no meio do caos a luz é fascinante.

Descobrir que temos mais dons que defeitos. Lançar-se em busca do novo, a partir de modelos ainda não testados. Sonhar que tudo vai dar certo e que todos juntos somos mais fortes. É no encontro, no diálogo e nas tentativas de sermos seres humanos melhores que a celebração deve encontrar inspiração para emergir. Nutra seu mundo com rituais de gratidão pelas possibilidades de renascimento humano.

A criatividade conecta sua alma

A criatividade conectando almas. Conecta corações e pessoas em prol de um mundo mais empático e colaborativo. Nossa essência deve estar conectada com tudo que realizamos.
Nossa alma, nossos valores e crenças são nossos diferenciais no mundo. Encontrar o que nos move, o que nos inspira fará de nós seres humanos mais próximos de nossa alma, o que nos permitirá desenvolver nossa criatividade para inovar e empreender.
Linda iniciativa dessa aluna que desenvolveu uma máscara para as pessoas com problemas de surdez. Muita empatia e sensibilidade. É o que o mundo necessita neste momento.

“Vi no Facebook pessoas fazendo máscaras para todos e pensei: e a população de surdos e com deficiência auditiva?”, contou a menina de 21 anos, que produziu as máscaras com a mãe e esta distribuindo gratuitamente.

Por mais solidariedade no mundo

Acredito que a solidariedade seja uma das palavras mais relevantes neste momento. A solidariedade é um ato de generosidade e empatia com próximo. Ela é a nossa atitude como seres humanos em prol da cooperação mútua. Ela une e faz a gente pertencer a um coletivo maior. Ela conecta sentimentos, ideias e doutrinas. Ela é nossa alma em forma de gesto de amor.

Cultive a fé, a generosidade e tenha esse olhar mais profundo para a vida. O que a vida realmente representa? Como nós, seres humanos, podemos ser mais solidários?
As reflexões nos levam ao nosso interior, a nossa alma e a todos os valores e crenças que conduzem nosso agir.

Pensar na possibilidade de encontrar as respostas para nossas inquietudes dentro da gente parece um tanto ameaçador, quando não sabemos exatamente quem somos. Encontrar as respostas exige calma e paz.
No momento que escutamos nosso interior, evocamos a solidariedade com a gente e com o próximo.

Deixe fluir em você a força e a coragem que faz construir um mundo mais harmônico e equilibrado. A Solidariedade preza pelo bem comum, fugindo do egoísmo e do individualismo.
Sejamos mais solidários e conscientes de nosso atos para a construção de um mundo mais humanizado e amoroso.