Conexões e parcerias no trabalho

Quando terminei meu doutorado, percebi que precisava pertencer novamente a um cicilo de pesquisa que me permitisse comunicar minhas ideias em forma de compartilhamento de informações e pensamentos.

Estou participando de dois projetos muito legais como pesquisadora. Um deles é vinculado à área de projetos e tecnologias, na corporação ARF Média . O projeto permite a busca de conhecimento na área de tecnologia e inovação, além de poder agregar e contribuir com projetos estratégicos de parcerias e conexões internacionais para fortificar a internacionalização da organização.

Outro projeto que faço parte é o projeto Coffee And Work. O projeto Coffee and Work nasceu em janeiro de 2019 com dois propósitos: divulgar achados científicos e instigar um olhar ressignificado ao trabalho. Entre as iniciativas está a Plataforma de Pesquisadoras, que reúne mulheres pesquisadoras por meio de contribuições sob diferentes enfoques. Nesse sentido, vamos avançando com o propósito de agregar pessoas, construir e compartilhar conhecimento.


Na PlataformaCoffee and Work, você poderá encontrar textos meus que falam sobre pesquisa, empreendedorismo, a participação da mulher no mercado de trabalho, inovação e tecnologia. Minha vivência interdisciplinar permite que eu transite pelos diversos campos do conhecimento acadêmico e empresarial. Minha carreira profissional me deu a experiência do dia a dia. Experiência do mercado e de como as empresas se organizam culturalmente e como as pessoas se relacionam nestes ambientes organizacionais. Além disso, a tenho a experiência da academia, que me preparou para ter um olhar mais crítico frente à sociedade e ao mundo corporativo.

Além disso, tenho me engajado em movimentos associativos como a Associação de Administradores do Vale do Sinos, a AVS, onde atualmente sou presidente, buscando mostrar a importância da nossa profissão no meio corporativo.

Outro projeto que me identifico e participo é o Grupo Mulheres do Brasil, protagonizado pela Luiza Helena Trajano, com o objetivo de pensar em ações que favoreçam o crescimento do país e o respeito às mulheres no que tange às iniciativas para fomentar o empreendedorismo, a saúde e a educação de todas as mulheres brasileiras. O movimento acontece por meio de núcleos nas principais cidades do país e no exterior.

Não poderia deixar de comentar sobre o projeto Aceleradora de Mulheres, da Federasul que também participo no Rio Grande do Sul- RS. Este projeto é educacional para fomentar o empreendedorismo feminino no RS. Os encontros são uma vez por mês com a participação de mulheres de todo o estado. Foram realizadas diversas visitas técnicas pelo RS, onde podemos conhecer a realidade de muitas mulheres empreendedoras e seus empreendimentos. Este ano, vou participar como uma das mentoras no projeto. O ano de 2020 promete transformador.

9º Foro Europeo para la ciencia, tecnologia e innovación – Transfiere

No dia 12 e 13 de fevereiro de 2020, eu particicpei do 9º Fórum Europeo para a ciência, tecnologia e innovação (Transfiere), em Málaga, na Espanha. Esta é a segunda participação que eu tenho neste evento. No ano passado, eu participei para conhecer como funcionava e neste ano, já com detalhe, pude aproveitar mais o evento.

Trata-se de um fórum profissional e multissetorial de transferência de conhecimento e tecnologia realizado na Espanha e mostra quem é quem no ecossistema nacional e internacional de P&D.

A Transfiere é um espaço único para  impulsionar a inovação entre grupos de pesquisa e empresas , além de  contribuir para melhorar a competitividade do setor de negócios . Ser parte ativa da Transfiere nos permite  gerar contatos de interesse, sinergias e intercâmbio de conhecimentos  no campo da inovação, pesquisa e transferência de conhecimento nos diferentes setores estratégicos da economia.

Sectores estratégicos envolvidos foram:

  • Administrações públicas
  • Aeronáutica e Aeroespacial
  • Agroalimentar
  • Grupos de negócios inovadores
  • Energia
  • Financeiro
  • Indústria
  • Infraestruturas e Transportes
  • Meio Ambiente
  • Plataformas Tecnológicas Espanholas
  • Saúde
  • Serviços
  • TICs

Minha motivação ao participar desse fórum foi entrar com contato com diversas áreas de conhecimento, onde o governo espanhol, as universidades, as empresas privadas e os cidadãos e cidadãs interessados na divulgação e transferência de conhecimento.

As palestras ocorrem todas em um em mesmo espaço de transferência de conhecimento. Cada área ou ponto é representado por uma cor e, a partir disso, você escolhe a palestra que deseja assistir.

Uma das palestra que mais me chamou a atenção foi a que ocorreu no dia 13, intitulada Coloquio Talent Woman: La mujer en el ámbito de la innovación que teve como temática a mulher nos ambientes de inovação. As palestrantes convidadas foram as seguintes:

Em outra oportunidade eu vou falar mais sobre essa palestra, pois a temática é maravilhosa e tem relação com a minha tese . As palestrantes convidadas foram excepcionais no que tange ao conhecimento da temática.

Outra palestra que eu achei super interessante foi a ENRICH in Brazil – European Network of Research and Innovation Centres and Hubs , onde Laura Monasterio apresentou com muita competência as possibilidades de investimentos no Brasil.

Por ter realizado uma parte dos meus estudos dentro do Parque Tecnológico de Andalucia, na Espanha, compartilho também mais uma palestra exemplar realizada por Soledad Diaz, Directora Gerente de la Asociación de Parques Científicos y Tecnológicos de España (APTE) . Conheço o trabalho competente que eles vem realizando no Parque Tecnológico de Andalucia, mas também em todos os Parques Tecnológicos da Espanha.

Além dessas palestras maravilhosas, o fórum também permitiu networking entre diversos tipos de empresas e institutos. Eu fiquei encantada porque no Brasil, não estamos acostumados a ver esse tipo de iniciativa onde a hélice quádruple é percebida na prática de um evento.

A ´´ultima palestra que gostaria de destacar foi a Innovation Radar. Proyecto Merlin 2020: Romper el molde, desatar la próxima generación de investigadores , que eles debateram sobre a perspectiva do investigador acadêmico no mercado empreendedor. Essa palestra foi absolutamente fantástica e vou falar sobre ela em outra oportunidade também. Os palestrantes foram estes:

O evento foi muito legal pelas conexões que pude fazer com os painelistas e também pela oportunidade de apresentar os resultados de minha tese para o Parque Tecnológico de Andalucia. Obrigada a Aline Daniel, responsible for international projects at Parque Tecnológico de Andalucía (PTA) pela atenção recebida.

O evento Transfiere ocorreu com a participação de um país convidado que foi, neste ano o Canadá.

Por que é interessante participar do fórum transfiere?

Rede, transferência, cooperação e internacionalização são os pilares fundamentais da Transfiere. Os participantes, entidades públicas e privadas, têm a oportunidade de:

  • Estabeleça contatos B2B por meio de uma agenda de rede on-line, que permite fechar até 32 reuniões antes do evento.
  • Dinamize a ciência e a inovação espanhola internacionalmente:  compartilhe o conhecimento de grupos de pesquisa de universidades, IPOs e centros de tecnologia.
  • Estabelecer alianças estratégicas e sinergias.
  • Divulgar produtos, serviços e projetos inovadores, além de atender à demanda tecnológica de empresas nacionais e internacionais que investem em P&D.
  • Conhecer as necessidades tecnológicas da Administração Pública.
  • Desafios tecnológicos: encontrar soluções inovadoras e oportunidades de negócios para os diferentes setores estratégicos da economia.

Você sabe o que significa I+D+I?

A sigla tem a mesma definição que P&D, isto é Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Pode ser considerado um conceito de desenvolvimento relacionado ao avanço da tecnologia que tem como objetivo o avanço social

Quando pensamos em Desenvolvimento, o conceito parece estar relacionado à economia. Quando pensamos em Pesquisa e Inovação, parece que o conceito fica mais relacionado à ciência e tecnologia. O fato é que I+D+I pode ser aplicado à diversas áreas, visto ser um conceito interdisciplinar e conectado com o mundo da inovação e do desenvolvimento.

Sabe-se os países mais desenvolvidos do mundo possuem investimentos intensos em I+D+I, pois sabem os benefícios econômicos e os impactos sociais que estes investimentos podem gerar para o crescimento econômico e para construções de sociedades mais sustentáveis.

Construir sociedades mais sustentáveis economicamente e socialmente é um desafio para este século. Requer que o poder público e privado construam relações conjuntas e investimentos conectados em I+D+I. Além disso, acredito que ações conjuntas entre o governo, empresas, universidades pode realmente tornar nosso país mais inovador. Sabe-se que o brasileiro é um povo empreendedor e com muito talento para inovar. O que falta são investimentos nesta área.

Assim, eu penso que formar ecossistemas de inovação e empreendedorismo são fundamentais para o I+D+I. Os parques científicos e tecnológicos são fundamentais para a geração de conhecimento compartilhado e desenvolvimento humano. Criar sinergia neste campo trará benefícios imensos para a sociedade e para o desenvolvimento econômico do país. Quem sabe, em um futuro próximo, o Brasil possa estar entre os maiores investidores em I+D+I.

Palestra no Espaço Novos Saberes

A importância da mulher nos espaços de inovação e empreendedorismo foi a temática da palestra que eu realizei no dia 08.01.20 no Espaço Novos Saberes, em Campo Bom , RS . Confesso que fiquei impressionada com tamanha receptividade das anfitriãs Elisa Helena Strack e Karen Elias. O espaço foi constituído para proporcionar aos participantes um encontro intimista, onde todos podem participar ativamente na palestra, tornando o encontro mais acolhedor e transformador para todos os envolvidos.

Minha fala veio ao encontro da busca das mulheres em conquistar seus sonhos por meio do empreendedorismo. É incrível perceber que, embora todas as diferenças de vida de cada ser humano, todos e todas nós buscamos conquistar nossos sonhos e impactar pessoas com nosso trabalho.

Ás vezes eu percebo que o meio acadêmico e o meio empresarial possuem algumas lacunas. O que quero dizer é que a sociedade, de forma geral, não entende o que os pesquisadores realizam na academia. Neste encontro, pude trazer minha experiência na construção da minha tese intitulada Mulheres Empreendedoras em Parques Científicos e Tecnológicos: a construção discursiva de imagens de si na Espanha e no Brasil.

A ideia principal foi mostrar que o meio acadêmico pode ajudar a sociedade de alguma forma. Meu trabalho de tese possui um cunho social também. A tese propõe a reflexão  para a construção de uma maior visibilidade e representatividade da mulher nos ambientes de inovação e empreendedorismo. As mulheres são essenciais para estes ambientes. Ignorar o gênero feminino é ignorar a ideia de inovação como possibilidade de construção de sociedades mais justas e sustentáveis.

Inovar é uma tarefa que o mundo moderno nos impõe com tanta força e impacta diretamente a permanência e sobrevivência de nossos negócios. Vivemos um mundo global, onde temos que concorrer com o mundo inteiro. É fundamental que tenhamos condições de mudar e melhorar nossos produtos e serviços para a manutenção de nossas empresas. Sabemos que o Brasil é um país muito difícil para empreender, pois não temos incentivos do governo, não temos condições de fomento de crédito adequados e além disso, nosso país, na minha opinião, ainda vive à margem dos grandes centros inovação do mundo. Sabemos que grande parte nossa tecnologia vem de outros países e que o Brasil enfrenta muitos problemas da área da educação e saúde.  

Posso dizer que as mulheres e homens que decidem empreender no Brasil são heroínas e heróis porque a burocracia e todos os entraves existentes para quem é empreendedor no país.

As mulheres, além dos entraves econômicos, conta com toda as dramáticas sociais de ser mulher. O que quero comentar, nesse caso, é que a mulher durante muitos séculos estava à margem do espaço público. Elas estavam na neblina, ofuscadas pela baixa representatividade no mundo do trabalho. Neste século, as coisas estão mudando e as mulheres estão conquistando seus espaços de fala e de expressão no trabalho, principalmente por meio do empreendedorismo feminino. Porém, sabemos que nem tudo são flores, mas elas estão se lançando a novos desafios e a novas possibilidades de autoconhecimento para desfrutarem de uma vida com maior autonomia e liberdade.

No Espaço Novos Saberes, percebi que aquelas mulheres estão construindo suas relações de contatos e que por meio deles, elas estão descobrindo que podem mudar suas vidas e suas  escolhas. Não importa a idade, a classe social, a profissão que escolham, o momento atual é nosso, pois o mundo está aberto à força feminina.

Nascemos de um homem e uma mulher, com isso, temos forças femininas e masculinas como seres humanos. Por muito tempo, as forças masculinas dominaram nossa sociedade, mas agora, com o passar do tempo, estamos descobrindo que a força feminina vai transformar o mundo. A ideia é que a sociedade recupere o equilíbrio entre as forças masculinas e femininas.

Sabemos que quando a mulher está gerindo suas empresas , ela não pensa apenas em si . Ela pensa nos filhos, no marido na família inteira. Mulheres gerindo seus próprios negócios são capazes de elevar o PIP do país. Além disso, existem estudos que comprovam que as empresas geridas por mulheres são mais rentáveis.

Não há dúvidas que as mulheres devem estar presentes em todas as áreas profissionais, inclusive as profissões relacionadas às carreiras STEM, isto é ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Atualmente, existem estudos que acrescentam as áreas de artes e arquitetura também como áreas importantes para a inovação, recebendo a sigla de STEAM. Dessa forma, acreditar em transformações sociais e econômicas sem a mulher é desperdiçar a metade da população do planeta.

Sabemos que as questões de gênero são, muitas vezes, deixadas de lado porque estamos falando das relações de poder que são atravessadas pelos assuntos de gênero.  As mulheres não querem se impor aos homens, elas querem trabalhar junto com os homens. As mulheres querem acesso ao mundo corporativo sem entraves, sem barreiras e sem discriminação. Sabemos que o trabalho não remunerado, aquele trabalho que é realizado dentro da casa, limpeza, compras, cuidar dos filhos, são reconhecidos como trabalho de mulheres, quando o marido também é responsável pelo lar, pelas crianças, pelas limpezas.

O trabalho não remunerado, é um entrave forte nas questões  femininas quando falamos em empreender com um negócio próprio ou intraempreender dentro de uma grande empresa. Este fato, na minha opinião, deve ser discutido dentro de casa, envolvendo o companheiro e toda a família. A mulher não precisa assumir estas atividades sozinha.  Uma conversa entre o casal pode ser transformadora nesse sentido. A criação que damos aos nossos filhos homens também ganha impacto, pois se criarmos meninos com uma nova mentalidade de união e parceria, as gerações futuras serão beneficias e a mulher poderá lançar voos muito altos no empreendedorismo, tendo tempo para inovar, fazer networking, realizar treinamentos e tudo mais.

Além disso, percebo que as mulheres devem buscar posições de liderança, quando desejarem, e dessa forma, terem as mesmas condições que os homens de dar o seu melhor no trabalho. A atividade de trabalho é uma atividade de desenvolvimento humano e de expressão identitária.  Compreender que empreender é para homens e mulheres é o início de uma revolução econômica e social.

Foto com as participantes do encontro.
Sorteio do livro Momento de voar de Melinda Gates a uma das participantes
Karen Elias, Eliane Davila e Elisa Helena Scrack.