Lifelong Learning: ser um aprendiz ao longo da vida

Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez? Saiba que, a cada novo aprendizado e conhecimento adquirido, você está realizando algo pela primeira vez. Mergulhar em novas ideias e conceitos é uma forma de estimular o raciocínio, o pensamento crítico e ainda aumentar as habilidades e sua visão de mundo. O Lifelong Learning é sobre ser um aprendiz ativo ao longo da jornada, seja em qualquer lugar ou âmbito da vida.

Lifelong Learning: ser um aprendiz ao longo da vida
Lifelong Learning: ser um aprendiz ao longo da vida

O aprendizado está disponível nos desafios do dia a dia, nas palestras, nos cursos, em vídeos e podcasts ou até mesmo em uma conversa na mesa do bar.

Sendo assim, o Lifelong Learning está ligado a uma atitude, a qual o sujeito está sempre aberto e flexível a novos aprendizados.

Hoje em dia, a duração das carreiras são cada vez maiores, além de se falar muito sobre a longevidade. Em contrapartida, as mudanças e a constante transformação são aspectos fundamentais dessa nova realidade, pois as carreiras aumentaram na medida em que as possibilidades de atuação também aumentaram.

Com isso, o Lifelong Learning traz uma nova perspectiva dos modelos tradicionais de aprendizado e de atuação no mercado. Para os adeptos a essa “filosofia de vida”, as oportunidades são inúmeras e só tendem a aumentar ao decorrer dos anos.

Quer se aprofundar no assunto e saber como tudo isso funciona? Neste post iremos te mostrar como o Lifelong Learning funciona na prática e qual o seu impacto para o mercado de trabalho e o desenvolvimento pessoal.

O que é Lifelong Learning?

O termo lifelong learning – aprendizado ao longo da vida – teve origem nos anos 70 por meio da união de três grandes órgãos mundiais: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o Conselho Europeu.

O conceito busca principalmente romper com o modelo de educação tradicional, mecanicista e com tempo de duração, o qual limita o ser humano em suas infinitas possibilidades de aprendizado ao longo da vida. 

A ideia de adquirir conhecimento ao longo da vida, como um processo contínuo, é uma forma ainda mais democrática de aprendizado e de desenvolvimento.

O Lifelong Learning é representado pela instituição A Lifelong Learning Council Queensland(LLCQ) que abarca 4 pilares fundamentais, os quais veremos abaixo.

Aprender a conhecer

O primeiro pilar está ligado a uma perspectiva interior, uma abertura ao aprendizado contínuo e a forma como o sujeito está disponível ao conhecimento, de forma ativa e questionadora.

Ou seja, aprender a conhecer é a forma como as pessoas obtêm prazer no conhecimento, de forma sempre curiosa e aberta a novas perspectivas.

Neste pilar, é onde há o estímulo ao senso crítico, a posicionamentos divergentes, reflexão e confronto de ideias.

Aprender a fazer

O segundo pilar está relacionado às práticas do dia a dia, a forma como o indivíduo responde à capacidade de adaptação de forma flexível e como lidar da melhor forma em situações diversas e imprevisíveis.

Tudo isso está ligado a uma boa comunicação com as pessoas, proatividade, bom relacionamento interpessoal e várias outras habilidades que advém do lifelong learning.

Aprender a conviver

O terceiro pilar é justamente sobre a capacidade de conviver em grupos plurais, diversos e dinâmicos. 

Saber solucionar conflitos da melhor forma possível e poder se adaptar a diferentes formas de convívio é também uma importante ferramenta de aprendizado.

Aprender a ser

Aprender a ser é o último pilar do lifelong learning, o qual reúne todos os outros pilares a fim de unificar o perfil do indivíduo.

Saber ser é introjetar todos os pilares anteriores e adquirir autonomia para desenvolver um pensamento crítico ativo, responsabilidade social, e absorver o interesse genuíno pelo conhecimento contínuo.

Diversidade para o conhecimento

O mundo contemporâneo é movido por mudanças, no qual devemos estar sempre dispostos a aprender, reaprender e se adaptar a novos modelos de conhecimento, de mercado e até mesmo de estilo de vida.

A ideia de que existe um tempo pré-determinado para o aprendizado, ou de que o conhecimento deve ser adquirido apenas na juventude é uma ideia limitante, segregadora e que impossibilita com que grandes gênios perpetuem seu conhecimento para o mundo.

José Saramago, grande escritor português, começou a se dedicar à literatura e escrever seus primeiros livros aos 60 anos de idade. 

Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos, começou a estudar as partículas físicas aos 68 anos de idade, assim como Charles Darwin, que dedicou toda sua vida ao conhecimento, registrando sua primeira grande obra e descoberta aos 50 anos.

Dessa forma, é possível encarar o lifelong learning como uma grande ferramenta que amplia as capacidades do ser humano em todos os seus níveis.

Lifelong Learning aplicado às empresas

O Lifelong Learning é talvez um dos requisitos mais abordados pelo meio corporativo atual. Cada vez mais, o que nos difere no mercado de trabalho vai muito além do conhecimento técnico, pois as habilidades humanas e comportamentais, conhecidas também como soft skills, são cada vez mais requisitadas.

O modelo tradicional de aprendizado limita o sujeito no mercado atual, que requer uma equipe em constante movimentação, com novos treinamentos, novos cursos e novas demandas de performance no ambiente de trabalho.

O lifelong learning, além de contribuir de forma significativa para produtividade das equipes, também desenvolve novas habilidades nos indivíduos e potencializa as habilidades já existentes, pois estimula a busca pelo desenvolvimento e qualificação.

Com isso, abre-se espaço para criatividade, para a melhora na comunicação e interação pessoal dentro da organização, na gestão de conflitos e problemas internos, além de possibilitar a diversidade de todas as formas.

Conclusão

Agora que você já sabe como funciona o Lifelong Learning, é preciso abraçar este conceito e começar a desenvolvê-lo na prática. 

Contudo, é importante estar sempre atento e disponível às novas oportunidades de aprendizado, seja no mercado de trabalho ou nos outros âmbitos da vida. E para isso é necessária uma postura lifelong learner.

A educação tradicional já não sustenta as demandas da atualidade, pois é preciso ir além e manter uma constância de aprendizado ao longo da vida, que possibilite uma vivência mais diversa, adaptável e principalmente ativa, em todos os seus sentidos.

Caso queira saber mais sobre outros assuntos do meu blog, recomendo buscar o texto do Capitalismo Consciente neste link e se você quiser saber mais sobre arte digital,acesse este link.

O que é mentoria? Por que ela pode ajudar minha carreira e meu negócio?

A mentoria tem um valor inestimável no mundo dos negócios, você sabe por quê? Eu te conto! Saiba mais sobre o que é mentoria, suas vantagens, e como escolher seu mentor de carreiras ou mentor para sua empresa.

O que é mentoria? Por que ela pode ajudar minha carreira e meu negócio?
MeO que é mentoria? Por que ela pode ajudar minha carreira e meu negócio?ntoring Coaching Tutor Guiding Helping Concept

Uma das lições mais importantes que todo profissional deve aprender é que o melhor jeito de buscar conhecimento para chegar mais longe é por meio das experiências de quem já chegou lá.

A experiência é um dos melhores conteúdos de aprendizado, feitos por quem viveu na pele as consequências e benefícios de trilhar um certo caminho.

Tudo isso pode ser feito por processos de mentoria, que além de benefícios para uma carreira profissional, ainda pode trazer muitas vantagens para as empresas e negócios. Se você ainda não conhece o que é mentoria e qual o seu poder, vai gostar muito de aprender o que ensinaremos agora.

O que é Mentoria?

A mentoria é um encontro que tem o objetivo de compartilhar experiências e conhecimento prático de mentores para mentorados.

Ela também serve como reforço para que o mentorado reforce os conhecimentos utilizados no dia a dia, aprendendo de uma nova perspectiva, que é a visão de quem já vivenciou aquilo que ensina.

No campo das carreiras, a mentoria tem o objetivo de trazer aos mentorados uma visão mais clara sobre o seu caminho e proporcionar  uma visão mais prática e real do que lhe espera.

Já para empresas, o objetivo pode ser repassar ao mentorado aquilo que o mentor vivenciou com êxito na sua experiência profissional, para que haja, além de tudo, um alinhamento de ideias, valores e objetivos em busca de bons resultados.

Em síntese, por meio dos diversos tipos de mentoria, a ideia é sempre elevar o nível de conhecimento do mentorado para que ele possa buscar mais autonomia e protagonismo em sua vida em todas as dimensões do ser humano.

As vantagens da Mentoria

É importante que você entenda o que uma mentoria pode fazer tanto para uma empresa quanto para a carreira de um profissional. Abaixo fizemos duas listas para que você conheça as vantagens em cada caso.

Para carreiras

  • Diminui a curva de aprendizagem
  • Esclarece as dúvidas sobre o caminho a seguir
  • Permite aprender com erros dos mentores
  • Reforça o desenvolvimento pessoal
  • Aumenta o conhecimento prático
  • Aprendizagem adaptativa, respeitando os limites do mentorado
  • Ajuda o profissional a alcançar objetivos mais claros

Para empresas

  • Acelera os resultados da empresa
  • Capacita e alinha colaboradores
  • Descobre e desenvolve talentos
  • Gera oferta de bons profissionais
  • Diminui custos por erro

No geral, a mentoria pode trazer muitos benefícios de curto a longo prazo. Para isso, é preciso escolher bons mentores que sejam capazes de passar adiante seus conhecimentos que fizeram a diferença em sua carreira. Sugiro também a leitura do meu texto sobre porque os empreendedores buscam a mentoria de negócios.

Como procurar mentores no mercado

Para os profissionais que estão de olho nos benefícios da mentoria, pode ser interessante procurar por programas disponíveis no mercado ou até mesmo sugerir a criação de um programa na empresa que trabalha.

O colaborador pode buscar ajuda de seus gestores e conversar sobre a importância e benefícios da mentoria dentro das empresas. Já para outros profissionais e futuros empreendedores, pode ser interessante procurar por mentores que estão produzindo conteúdos na web.

A partir daí, é necessário selecionar os mentores e descobrir quais serão interessantes para essa jornada. Portanto:

  • Verifique a reputação dos mentores
  • Procure mentores certificados
  • Veja sobre seus resultados e sua carreira
  • Confirme se há possibilidade de mentoria

Muitos mentores costumam divulgar suas mentorias em suas páginas nas redes sociais ou em seus sites. Na maioria dos casos, as seções podem ser apenas em um encontro ou em várias seções para solucionar a demanda do mentorado ou de sua empresa. Cada caso, é um caso!

Como construir uma mentoria na empresa

Uma empresa que se preocupa com o seu crescimento e formação de seus profissionais, também busca descobrir e qualificar novos talentos pode criar um programa de mentoria que vai ajudar muito no processo. Criar uma mentoria não é muito difícil, mas é necessário fazer algumas definições para o programa. Veja mais abaixo.

Definir quem será o responsável pelo programa

O responsável pelo programa é o líder que vai estruturar as seções, supervisionar as mentorias e analisar as métricas dos resultados e planos de curso.

Sua função é ser o facilitador principal que vai auxiliar os mentorados a terem autonomia para resolverem os problemas e dar sugestões para os demais. Este profissional pode ser um gestor da empresa ou algum profissional qualificado do RH.

Definir os mentores de cada área

Os mentores são como os professores ou facilitadores da aprendizagem. Para defini-los é preciso que o gestor tenha consciência de quais são os profissionais que podem auxiliar os outros colaboradores na empresa, se eles possuem realmente possam ter disponibilidade para exercer este papel.

Neste caso, é preciso analisar com cuidado cada área, além de escutar também os superiores desses candidatos para conhecê-los melhor.

Definir os mentorados

Os mentorados serão aqueles que precisam de um guia dentro da empresa. Dentre eles, podemos destacar os novos colaboradores que precisam de uma estrutura de onboarding, profissionais que estão mudando de cargo e até mesmo aqueles que apresentam potencial, mas não estão oferecendo bons resultados.

Definir como será feito todo o processo

O processo deve ser bem claro para que os mentorados tenham um programa que realmente seja produtivo.

Por isso, é importante definir um número de horas da mentoria quando isso poderá ser feito e quais os formatos utilizados, como por exemplo, reunião via vídeo conferência, palestras, materiais didáticos, reuniões presenciais ou até mesmo acompanhamento do trabalho.

Conclusão

A mentoria é um processo de compartilhamento de conhecimento que diminui muito o tempo de aprendizado e auxilia os profissionais a serem mais autônomos, inspirados por bons exemplos. Esse processo também é bom para o mentor que está sempre reforçando aquilo que o faz chegar mais longe. Além disso, é um momento de exercício de escuta ativa do mentor para com o mentorado. A partir dessa escuta mais plena, o mentor poderá proporcionar reflexões importantes para o mentorado pensar sobre sua carreira e ou seu negócio. Sugiro também acessar meu texto sobre o processo de escuta

Portanto, se você é um profissional, é importante procurar formas de ser mentorado, sugerindo um programa para sua empresa ou procurando por profissionais certificados no mercado. Para os donos de negócio, é importante abraçar os benefícios que essa qualificação de colaboradores trará do curto ao longo prazo.

Gostou de saber um pouco mais sobre o que é mentoria e qual sua importância? Compartilhe este post com mais profissionais para que vocês possam discutir sobre o assunto e não deixe de acompanhar mais aprendizados por aqui. Caso você tenha se conectado com a minha filosofia de mentoria, podem fazer contato comigo .

Enxergar em 360 graus. Isso é posssível?

Hoje me levantei me perguntando como ampliar minha capacidade de enxergar, com clareza, o mundo? Como pensar de forma mais clara sobre meus projetos? Como posso construir relacionamentos mais duradouros? Enfim, como encontrar as respostas que preciso para entender melhor o mundo em que eu vivo?

Dizem que você pode enxergar em 360 graus. Seria isso realmente possível?

Sim!!!! Vou contar como cheguei a esta conclusão.

Fiquei pensando…. como poderia eu enxergar em 360 graus se eu tenho apenas dois olhos? Claro que isso não seria possível se eu utilizasse apenas os olhos para enxergar.

Neste sentido, posso dizer que também enxergamos quando nós ouvimos e sentimos a energia do outro e em tantas outras formas de perceber que estão condensados no que chamo intuição.

O ser humano é complexo e completo! Que maravilha é esse nosso corpo e essa mente que nos dão a possibilidade de enxergar em tantas dimensões o nosso mundo.

Estar mais atento a si e ao outro não é coisa muito fácil. Hoje, posso dizer, sou uma pessoa mais madura, mais vivida e dar espaço às diversas manifestações do mundo me deu mais equilíbrio e discernimento. Assim, com essa maneira mais abrangente de enxergar, vamos nos construindo como seres humanos.

Enxergar, nesse sentido mais amplo, nos faz mais empáticos, principalmente quando sentimos a importância do outro e o seu ponto de vista. Em um mundo onde vejo as pessoas muito voltadas à competição, eu me pergunto, ” onde está a colaboração?

Onde eu posso mostrar meus talentos e realmente ser útil no que faço para melhorar o mundo e inspirar outras pessoas? Preste atenção aos sinais e permita-se enxergar em 360 graus. Isso lhe dará maior assertividade nos relacionamentos e em seus empreendimentos.

Seja inclusivo e respeite a diversidade humana no mundo.

#pensar #empreendedorismo #vida

Eliane Davila

PhD em Processos e Manifestações Culturais

Mentora de Negócios e Carreira

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Você faz o que ama?

A reflexão que deixo a vocês é um convite para repensar sobre sua vida. Se você não está feliz! Mude, ainda temos tempo!!

Se você está feliz com o que faz, está, com certeza no caminho certo. Talvez falte a você aprimoramento na atividade, conhecimento técnico e algumas habilidades a serem desenvolvidas, mas a sua alma estará em paz.

Posso dizer, por experiência própria, a diferença que isso faz na vida da gente!

Depois de algumas transições de carreira, me sinto mais livre, mas conectada com meu verdadeiro propósito. Desfrutar desse estado de flow, isto é, um estado mental que acontece realizamos uma atividade que nos sentimos totalmente potencializados de energia, prazer é gratificante.

Sou uma eterna aprendiz. Meus títulos conquistados com muita dedicação são importantes, mas não me definem na minha totalidade. Sou um ser humano que quer buscar coisas novas, repensar, resignificar e fazer o melhor, todos os dias.

Sou uma cidadã do mundo, sem medo de mudar, de trocar de opinião e de carreira de novo.

O que quero é seguir o fluxo, estar em movimento para poder desfrutar, junto das pessoas que amo, dessa linda jornada que é a vida. E você? Busque dentro de você suas respostas. Essa é a chave!

#mudança #novasoportunidades #abertoaonovo #inovar #criar #almaleve

Eliane Davila

Ph.D em Processos e Manifestações Culturais

Pesquisadora do Empreendedorismo Feminino

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Mentora de Negócios da ABMEN

Presidente da Associação de Administradores do Vale do Sinos – AVS

Sustentabilidade e empreendedorismo: quebrando paradigmas

Hoje a reflexão parte do princípio de que estamos desconectados com a natureza. A sustentabilidade tem relação com a manutenção da vida humana no planeta. Digo que estamos desconectados porque vivemos em um mundo ainda com tantas desigualdades sociais e falta de cuidado com o planeta. Muitas pessoas que se dedicam ao empreendedorismo não levam em conta a sustentabilidade em suas condutas. Parece que a racionalidade humana deixou as pessoas distantes do que as constitui. Vivemos em um turbilhão de fragmentações: eu e os outros, eu e o planeta, eu…, eu… e mais eu.

Pensar que sustentabilidade tem a ver com a manutenção da vida no planeta requer a quebra de paradigmas. O comportamento do ser humano levou a humanidade à destruição, à morte, às guerras, às desigualdades e ao pensamento individualista. Nossa falta de conexão com a natureza e com o pensar sustentável, levou mais crianças a citarem tipos de Pokémons a nomearem as principais espécies de animais existentes no planeta terra.

Curiosamente, com este distanciamento da natureza, há um distanciamento de si, ou seja, cada vez mais estamos mais racionais e menos sintonizados com o nosso sistema biológico. Distanciar-se do que nos torna mais vivo é o que acontece na maioria das sociedades e isso contribui para que o ser humano se distancie da sua própria essência.

Dessa forma, o pensar racional que não considera as diversas dimensões humanas nos afasta do conceito da sustentabilidade . A sustentabilidade inicia com o olhar interno, identificando o tipo de mindset que temos frente ao mundo. É interessante, que observando a humanidade, ao longo do tempo, as pessoas amadureceram, cresceram, evoluíram, desconectaram-se e adoeceram.

Estamos em um momento que necessitamos fazer a jornada de cura interna para que nossas ações empreendedoras estejam conectadas com a sustentabilidade.

Perceber que o pensar sustentável no empreendedorismo inicia, dessa forma, com a jornada interna, do empreendedor e da empreendedora, na quebra de seus próprios paradigmas. Enquanto não houver conexão com nós mesmos, a sustentabilidade, em nossos projetos e empresa, estará no campo discursivo. A prática da sustentabilidade dentro de nossos negócios é uma consequência das nossas visões de mundo e de nossas atitudes. As ações sustentáveis no empreendedorismo sugerem que essa perspectiva faça parte das estratégias das empresas, assim como estejam incorporadas na cultura organizacional.

Pensar a sustentabilidade como um sistema orgânico, que conecta as pessoas à vida e à resignifição dos nossos posicionamentos, no empreendedorismo, é acreditar que a sustentabilidade relaciona-se com o princípio do equilíbrio que gera qualidade de vida para as pessoas e para todos os que se relacionam com nossas empresas. A sustentabilidade e o empreendedorismo devem estar conectados.

Termino esta reflexão dizendo que a quebra de paradigma para o desenvolvimento sustentável, nos nossos projetos, parte do nosso protagonismo em equilibrar nosso olhar empreendedor, frente ao desenvolvimento socioeconômico, político e cultural ligado à preservação do meio ambiente, no intuito de construir um mundo melhor para todos nós. Desenvolver a sustentabilidade nos leva a satisfazer as necessidades presentes, sem comprometer as gerações futuras.

O empreendedorismo, a partir dessa reflexão, pode ser aplicado para definir projetos que combinam a geração de riquezas com o desenvolvimento consciente do meio social e ambiental. Pense nisso e ótimos negócios!

#sustentabilidade #empreendedorismo #paradigma #capitalismoconsciente

Eliane Davila

Ph.D em Processos e Manifestações Culturais

Pesquisadora do Empreendedorismo Feminino

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Mentora de Negócios da ABMEN

Presidente da Associação de Administradores do Vale do Sinos – AVS

Dimensão humana nas organizações: reflexões sobre pessoas e empresas

Essa última semana eu fiz um post nas redes sociais que falava sobre a indissociabilidade da pessoa que empreende e do seu empreendimento.

Isso mesmo! No mundo corporativo existe humanidade. Existem sentimentos, afetos e emoções. O que ocorre é que, a maioria dos empresários, não considera todas as dimensões humanas dentro das organizações. É muito incoerente isso: fragmentar o ser humano como se pudéssemos separar a persona profissional da pessoal.

Eu lembro, lá nos anos 90, quando iniciei minha carreira profissional, em um dos primeiros trabalhos que realizei, meu líder me disse: “Eliane, aqui você deve “vestir a camiseta” e seus problemas pessoais devem ficar em casa”. Ouvi essa frase e pensei: como vou realizar essa demanda de me fragmentar em profissional e pessoal? Como eu faço isso?

Essa frase seguiu comigo desafiando minhas crenças e me instigando a repensar sobre os modelos de gestão tão cruéis com os colaboradores. Na verdade, estas reflexões são fundamentais para qualquer empresas ou empresário/a. Não é possível adiar mais esta pauta! É agora!

1.1 Começando a mudar

Lendo o livro Empresas que Curam, de Raj Sisodia & Michael Gelb, me levou a reavivar esta conversa com você, caro/a leitor/a. O livro traz uma série de histórias de empresas que inspiram e que estão tornando possíveis feitos maravilhosos no mundo corporativo. Como já falei em outras reflexões, o protagonismo das instituições é fundamental para vermos as mudanças acontecerem, na prática.

A história do capitalismo não foi a coisa mais linda de se ver. Muitas ações foram realizadas em prol do desenvolvimento econômico e social , mas entendo que, entre tantas coisas, a visão mais humanizada nas organizações ficou negligenciada, trazendo influências marcadas pela violência, imposição, poder, competição e egoísmo.

As influências tóxicas do meio corporativo deixaram marcas e sofrimento nas pessoas”.

O ethos da maioria das instituições mostram empresas que correm muito atrás do lucro e desconsideram as outras relações possíveis dentro desses ambientes. Este é o mundo que você quer deixar para a prosperidade?Qual o legado de sua empresa? Ganhar dinheiro?

1.2 Elevando a consciência

Será que não temos outra maneira de nos relacionar nas organizações? Será que pessoas e organizações não são a mesma coisa? Claro que sim! Não tenha dúvida!

Empresas são pessoas, clientes são pessoas, stakholders são pessoas e a comunidade são pessoas. Esta é a chave para a elevação da consciência. A dimensão humana, por muito tempo esquecida, está retornando, aos poucos, para a relevância necessária dentro das empresas.

Percorrendo algumas literaturas sobre os negócios e lideranças, como comentam Sisódia e Gelb, existem livros que reforçam a sociopatia nos negócios. Uma sociopatia que considera a empresa sem as pessoas. Uma ideologia que torna o ambiente corporativo repleto de competição, guerras de poder e vaidades. Neste tipo de ambiente fica difícil valorizar as pessoas. Falta confiança e respeito mútuos.

Um líder lidera pelo exemplo e não pela força . Essa é a minha perspectiva também. Líderes tomam decisões difíceis, mas as tomam de forma consciente , com benevolência e gentileza em um equilíbrio entre a tenacidade e a sagacidade diz Sisodia e Gelb.

“É preciso entender que é possível promover crescimento nos negócios e servir à sociedade e ao planeta. Isso é recuperar a sanidade no mundo corporativo”.

A elevação da consciência está em acreditar firmemente que se melhorarmos a vida das pessoas que trabalham com a gente e focarmos na busca de melhorias para a nossa comunidade, encontrando soluções sustentáveis, estaremos em sinergia com nossos consumidores, sociedade e funcionários, nosso acionista vai ter resultados consistentes nas nossas empresas.

1.3 Empoderando pessoas

A missão da empresa também deve ser empoderar as pessoas. Essa atitude também as fará gerar lucro!! As empresas devem ter responsabilidade moral com cada indivíduo. Hoje, sabe-se que este posicionamento de gerar riqueza e beneficiar a todos que são impactados pelas nossas organizações. Isso é possível!

Uma liderança realmente humana é medida pela forma como curamos e empoderamos as pessoas. Tudo que acontece no mundo é responsabilidade nossa. Todo o desrespeito com o meio ambiente, com as desigualdades sociais e de gênero originaram-se da lacuna de humanidade cada ser humano.

As organizações podem fazer algo diferente! As empresas podem ser protagonistas de uma transformação social”.

O mesmo olhar que temos para geração de lucros, é o mesmo olhar que precisamos ter com as pessoas. Sabemos que o que precisamos é o equilíbrio. Sabemos que esse olhar para as pessoas reduzirá o sofrimento humano, pois em grande parte das empresas, vemos a doença, o stress e a falta de qualidade de vida.

Empoderar pessoas é construir caminhos possíveis para que ela se desenvolva“.

É pelo trabalho que desenvolvemos nossa identidade e nos tornamos capazes de exercer nossa autonomia em uma perspectiva biosocioantropológica do ser humano.

É hora de favorecer nossa vida e a da vida das pessoas que trabalham com a gente. É hora de acreditar que nossas empresas são pessoas e que elas precisam estar bem para apoiar nosso propósito maior, em uma cultura mais consciente e com líderes mais humanizados. A sociedade, os stakeholders e o nosso planeta precisam de nós, empresas que tornar a transformação mundial possível.

#capitalismoconsciente #pessoas #humano #humanidade #transformação #mudança

Eliane Davila

Ph.D em Processos e Manifestações Culturais

Pesquisadora do Empreendedorismo Feminino

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Mentora de Negócios da ABMEN

Presidente da Associação de Administradores do Vale do Sinos – AVS

O que é Estado de Presença na liderança organizacional?

Começo esta reflexão dizendo que a liderança organizacional é uma das temáticas que vem me acompanhando na minha trajetória profissional desde que iniciei no mundo corporativo e na minha carreira acadêmica.

Sempre gostei de buscar nas lideranças que trabalharam comigo, atitudes e comportamentos que eu pudesse me inspirar. A inspiração é uma forma amorosa de trazer amor. Uma liderança inspiradora precisa ser construída em uma base forte. Precisa estar conectada com o momento presente.

Assim, hoje vamos falar sobre o estado de presença. O que é este conceito e como ele pode ser vinculado às lideranças organizacionais?

Partindo da perspectiva do Livro, Liderança Shakti, o estado de presença é definido como um estado de consciência do momento presente. É um estado de “flow” onde acessamos o equilíbrio, completude, conexão interna e externa com o nosso entorno. É uma interconexão que vai além do nosso mundo, indicando uma ligação com nossa essência interior. Em estado de presença estamos plenos, flexíveis e congruentes.

Estar em estado de presença nos direciona à pensar que as lideranças, estão em plena disponibilidade para seus colaboradores, além disso, o conceito também permeia a ideia que você, como gestor/a, não tem nada a temer, nada a defender e nada a promover. É só você em estado de presença!

Uma das observações mais relevantes para mim, na leitura do Livro Liderança Shakti, foi entender que este estado de presença nos leva à unicidade, ou seja, no estado de presença eu sou eu mesma. Este é o estado natural, onde posso estar alegre porque posso ser o que realmente devo ser no mundo.

Os líderes conscientes são responsáveis por servir ao propósito da organização criando valor para todos os seus stakeholders e cultivando uma Cultura Consciente de confiança e cuidado. Os aspectos relevantes para essa competência incluem a confiança, o equilíbrio e determinação. O cultivo da presença possibilita o desenvolvimento de líderes mais carismáticos, que possuem um magnetismo singular e que possuem influencia sobre os outros. Em estado de presença, o líder encontra clareza e energia em uma linguagem corporal e verbal inspiradora.

As organizações desejam líderes para que tenham o estado de presença desenvolvido. Os líderes devem ser capazes de projetar confiança carismática, mas esta competência deve estar intrinsecamente ligada ao estado de presença.

Posicionamentos genuínos, na liderança organizacional, devem estar conectados com nosso Eu interior. Caso contrário, estaremos usando as máscaras que as influências externas nos disponibilizam para construção de uma persona que não é realmente quem somos.

Dessa forma, o líder deve ser exatamente a pessoa que ele é . Esta é a chave para a construção de lideranças mais conscientes nas organizações.

Percebemos o quão difícil é estar nesse estado de presença. Somos, a cada minuto, chamados a estamos em piloto automático. Realizamos as atividades, conversamos com as pessoas, mas na verdade, não as sentimos e nem as escutamos de forma genuína. A busca pelo estado de presença requer uma vigília constante.

O desenvolvimento do estado de presença requer um cultivo desta vigília e a prática diária do restabelecimento do equilíbrio interior. Uma das práticas mais eficazes para cultivarmos a presença é colocarmos limites adequados às nossas relações. Normalmente, as tendências femininas do ser humano, e aqui lembramos que, não estamos falando de gênero, deixam as pessoas mais abertas aos relacionamentos e com isso, estão mais expostas à dependência. Por isso reforço a importância da vigília constante.

Como um elefante que sempre esteve preso em uma corrente, quando o soltam, a tendência é ficar condicionado a estar no mesmo espaço. Assim, nós humanos, também podemos correr o risco de aceitar que nossas limitações, nossa liberdade e nosso potencial somente existam em nossas mentes. Somente quando estamos realmente presentes é que podemos transcender essas restrições pessoais e ir em busca da felicidade e das realizações que desejamos.

O estado de presença leva você à consciência. Um lugar que não é estático, mas uma dinâmica criativa que cria, preserva, destrói e recria. Nossas chances de acertar, em atitudes e comportamentos, no processo de liderança são muito maiores se estivermos neste estado de consciência pleno.

É preciso honrar quem você verdadeiramente é . É preciso prazer em tudo que se faz. Agir com a alma, este é o chamado do estado de presença a todas as lideranças organizacionais.

#liderança #liderançashakti #liderar #presença #pilares #alma #organização

Eliane Davila

Ph.D em Processos e Manifestações Culturais

Pesquisadora do Empreendedorismo Feminino

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Mentora de Negócios da ABMEN

Presidente da Associação de Administradores do Vale do Sinos – AVS

Elevação da Consciência Empresarial: orientação para stakeholders

Vivemos, todos nós, em uma época diferente. Vivemos em um momento histórico onde se faz um esforço para pensar em reflexão, em ressignificação e em construir um nosso sistema econômico mundial.

A ideia deste pensar nos leva a crer que a jornada do capitalismo até aqui nos trouxe mais problemas do que soluções. Houve um certo descuidado com o ser humano, com a sustentabilidade e com planeta.

É fato que precisamos redesenhar nossas relações empresariais com nossos funcionários, clientes, fornecedores, comunidade e todos aqueles que se relacionam com o nosso negócio.

Outro dia me perguntaram, mas Eliane, como é possível, em meio a uma crise pandêmica, pensar ou ajustar essas relações? Como posso pensar em elevar a consciência empresarial neste momento em que muitas empresas estão apenas sobrevivendo?

Gostaria de comentar que são, nos momentos de crise, que as oportunidades de mudanças surgem. Sabemos que nem todas as pessoas e empresas estão em um nível de consciência semelhante e com isso, posso dizer que mudanças são processuais e exigem um certo tempo de maturação e respeito às pessoas e às organizações. A mudança e a elevação de consciência vão acontecer no tempo de cada ser humano e no momento do despertar empresarial. O meu papel e e todos que queiram elevar a consciência das corporações, é de fornecer subsídios para a redefinição do propósito maior que valorize a ética, o amor e que proporcione maior resiliência às organizações.

O pensamento do acionista deve ir ao encontro de estratégias mais sustentáveis e da longevidade empresarial, com um cunho de responsabilidade social.

As empresas são pessoas e as relações com nossos funcionários devem ser revisitadas diariamente. O nosso cliente é o que proporciona o existir empresarial, gerando receita e mantendo a empresa viva. Assim, um olhar mais atento aos funcionários, automaticamente reflete no melhor atendimento do nosso cliente.

É o momento de pensar em sustentabilidade nos nossos negócios e quando em falo em sustentabilidade, o conceito vai muito além do meio ambiente. As nossas relações no mundo corporativo devem favorecer o desenvolvimento humano, ou seja, o desenvolvimento e a manutenção da vida humana no planeta. Penso que nossas atitudes devem seguir os preceitos de satisfazer as necessidades de hoje e não impactar a geração futura, para que haja realmente a manutenção da vida.

Assim, acredito que reflexões sobre um novo modelo econômico saudável deve permear as dimensões econômicas, sociais e ambientais, culturais territoriais e políticas. Milton Friedman, a mais de meio século, dizia que as empresas deveriam fornecer lucro ao acionista. O conceito por si só não está errado, porém esse conceito não se mostrou muito eficaz, pois não contemplou o olhar sistêmico e sustentável da vida humana. Funcionários, fornecedores, comunidade e o planeta ficam, na maioria dos casos, em segundo plano, o que causou injustiças e escassez de recursos na natureza.

A orientação ao stakeholders como uma possível estratégia de gestão empresarial, requer ações que impactem o meio ambiente, a sociedade e que sejam legitimadas por uma governança corporativa. Estamos vivendo uma “crise de uma humanidade que não consegue se tornar humana, diz Edgar Morin.

Na verdade, este movimento todo que está surgindo, com maior intensidade, neste ano de 2020, sugere um pensar distinto sobre todos nós, como atores responsáveis pela transformação interna de nós mesmo e das empresas às quais pertencemos. É preciso reconectar o humano nesta nova maneira de gerir nossas empresas. É preciso, de fato, elevar a consciência empresarial para a construção de um modelo de capitalismo que desenvolva as pessoas e transforme nossas empresas em espaços de (re)conexão com a vida e com todas as dimensões do ser humano.

Eliane Davila

Ph.D em Processos e Manifestações Culturais

Pesquisadora do Empreendedorismo Feminino

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Mentora de Negócios da ABMEN

Presidente da Associação de Administradores do Vale do Sinos – AVS

A Liderança do “Nós” – Capitalismo Consciente

Quando fiz uma pós graduação sobre gestão de serviços, em 2001, meu professor, Kleber Nóbrega, dizia que o novo líder é uma pessoa que servia ao propósito da empresa e às pessoas que liderava. Eu me desenvolvi nessa escola da cultura do “Nós” à cultura do “Eu”.

Vivi muitas experiências profissionais. Reconheci muitos líderes que tinham essa filosofia na sua liderança. Ao mesmo tempo, durante este período de quase 20 anos, percebi que a maioria das empresas não tomou consciência da diferença que faz um líder ou uma líder com estes posicionamentos voltados ao “servir”.

O movimento do Capitalismo Consciente também valoriza as pessoas e sugere a evolução da cultura do “Eu” para a Cultura do “Nós”. Parece fácil falar, mas, na verdade, colocar em prática esse pensamento requer um nível de consciência da liderança organizacional que vai além da performance da empresa.

O propósito maior da empresa é incorporado pela cultura da organização, mas quem coloca este processo dinâmico em sinergia? As pessoas!! Tudo inicia na dimensão relacional nas organizações, afinal, como já havia comentado em outra reflexão: empresas são pessoas.

Assim, muitas lideranças organizacionais se deparam com diversas maneiras de liderar. Estamos em um momento de transição conceitual e estamos reinventando o que seja a verdadeira missão de uma liderança organizacional consciente.

O que deve ficar claro é que a definição de liderança não é mais aquela hierárquica onde encontramos alguém que manda e outro que obedece. A liderança é muito mais ampla e não pressupõe essas relações estruturais dentro das organizações. Liderar é a missão de todos dentro das empresas. Liderar é colocar o nosso protagonismo em ação em prol de um propósito comum.

Encontrei nas minhas visitas às empresas, muitas vezes, um certo êxtase, sobre as questões da tecnologia, Indústria 4.0, Inteligência Artificial, etc. Acredito que a tecnologia é apenas mais um meio para que a sobrevivência da organização. A liderança organizacional deve sim dominar as ferramentas tecnológicas, mas é preciso que novas janelas se abram e novas formas de relacionamentos se concretizem para que a mudança de paradigma aconteça.

A visão de uma liderança consciente perpassa pelo conceito de servir! Sim! Servir às pessoas que se relacionam com nossas empresas, com nossos colaboradores e com a sociedade em que estamos inseridos. O que precisamos saber é que o reflexo de empresas mais conscientes é de lideranças mais conscientes. Dessa forma, penso que você esteja me perguntando sobre quais as competências que necessito ter para construir uma liderança mais consciente na minha empresa?

Não gosto muito de nomear padrões ou arquétipos preestabelecidos, mas algumas sugestões eu posso citar aqui para você no intuito de vivenciar uma liderança mais integral e consciente. Sabe-se que “Liderar envolve criar contextos para que as pessoas ampliem a sua compreensão sobre a realidade, permitindo que elas possam construir um futuro melhor. Liderar é criar novas realidades”. ( JOSEPH JAWORSKI)

Uma das competências que o capitalismo consciente sugere é a autoconsciência. Trata-se de compreender os valores, respeitar os limites com as pessoas, no intuito de cuidar da sua vida e da vida dos outros de forma criativa e não reativa. Outro ponto é a integridade, isto é, lideranças conscientes são atentas às palavras que proferem. Cuidam para que o seu discurso não seja incoerente com sua prática.

A competência da flexibilidade cognitiva pode contribuir para o domínio das próprias emoções e permite lidar com os conflitos com mais resiliência. Além disso, pode-se dizer que é importante que se tenha uma comunicação empática, construindo equipes que se comunicam com clareza em seus posicionamentos verbais e escritos, mantendo relações amistosas e equilibradas.

Uma competência valiosa é a inteligência relacional que traduz a possibilidade de navegar com respeito e compaixão pelos sentimentos pessoais de cada um. Construir relacionamentos de qualidade e de gerar espaços de presença genuína é fundamental para todos os que se aventuram pela liderança consciente.

A criatividade também é indispensável para a resolução de problemas complexos, acolhendo as pessoas e situações de forma empática.Além disso, a influência inspiradora é outra competência fundamental neste momento em que vivemos. A capacidade de liderar pelo exemplo gera profundo engajamento e que conectam as pessoas incentivando-as a serem suas melhores versões.

Saber compartilhar o propósito maior da organização, engajando o time com clareza e assertividade é outra competência fundamental, na minha opinião. Portanto, retomando o início desta reflexão, estamos na era do Servir, de reconhecer limites, de desenvolver as pessoas, congregando o negócio e todos os stakeholders em uma visão ampla e comum.

Liderar é uma arte! Eu sou apaixonada por essa temática e com essa inspiração, eu convido a todos e a todas para refletirem sobre como está o nível de consciência das lideranças em suas organizações. Acredito que estamos a caminho de vivenciar um novo modelo de liderança mais humanizada e que possa, efetivamente, colaborar para um mundo melhor e para a construção de empresas em meio a um novo modelo de capitalismo.

#capitalismoconsciente #liderançaconsciente #propositomaior #culturaconsciente #stakeholders #

Eliane Davila

Ph.D em Processos e Manifestações Culturais

Embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente

Mentora de Negócios da ABMEM

Presidente da Associação de Administradores do Vale do Sinos – AVS

Empreendedorismo feminino: protagonismo da mulher no mundo contemporâneo

Ser empreendedor/a significa ser um/a realizador/a, que produz novas ideias através da congruência entre criatividade e imaginação.” diz o SEBRAE. Mas o empreendedorismo feminino vai além dessa afirmativa, sinalizando uma quebra de paradigmas quanto à capacidade de liderança da mulher.

Penso também que empreender não é somente ter uma empresa, mas lançar-se ao novo, às descobertas e a buscar seus sonhos, potencializando o que cada um tem de melhor. Fico sensibilizada quando ainda vejo mulheres que sofrem abusos de todos os tipos. Fico preocupada em ver que, ainda no século XXI, as lacunas de gêneros são, muitas vezes, pautas discursivas nas corporações, mas nas pautas estratégicas, elas ainda estão muito distantes de serem executadas.

O empreendedorismo feminino tem minha paixão pela possibilidade que dá, à mulher, uma alternativa de viver o sonho da liberdade. A tão sonhada possibilidade de poder escolher a vida que quer levar.

Vivemos em um modelo patriarcal que deixou a todos intoxicados pelo exagero das forças masculinas em nós. Tanto homens, como mulheres, sofrem a consequência de um desequilíbrio interior que deixou marcas nas pessoas, na sociedade e no planeta.

Na minha trajetória de vida, encontrei muitas mulheres, muitas singularidades e muitas narrativas difíceis de compreender. Confesso que ainda existe, uma percepção do papel da mulher na sociedade, muito “limitada”. Parece que algumas empresas deixam suas crenças de um mundo mais inclusivo apenas no nível discursivo. As ações corporativas de inclusão da mulher nos espaços de trabalho não são incorporadas pela cultura da empresa e nem estão conectadas com as estratégias da organização.

A sensação que eu tenho é que as empreendedoras, muitas vezes, saem de seus mundos corporativos, muito pela falta de empatia dos líderes da organização em acolhê-las em suas reais necessidades.

Empreender não é a salvação para as mulheres, mas é, talvez, uma das formas para sua autonomia. Cabe lembrar que o glamour de uma vida empreendedora não tem nada a ver com o que passam na mídia. O esforço pessoal é dobrado. Seu projeto é seu filho/a. Você vai ter que amá-lo e estar presente o tempo todo, principalmente, nas fases iniciais do projeto. Os projetos exigem da gente este afeto. Em contrapartida, podemos decidir e administrar o nosso tempo.

A mulher, na contemporaneidade, ainda sofre no mercado de trabalho com as diferenças salariais, com a falta de oportunidades, com o assédio, com a jornada tripla e com o famoso teto de vidro, isto é, a impossibilidade da mulher chegar às altas lideranças. Além disso, com a pandemia, as lacunas de gênero no mundo corporativo, vão se evidenciar ainda mais.

O empreendedorismo feminino auxilia na construção de uma sociedade mais sustentável originando oportunidades de liderança para as mulheres. Embora elas correspondam a 52% da população do Brasil, só ocupam posições de de liderança em 13% das 500 maiores empresas no país.

Criar seu próprio projeto é empoderar-se. É construir uma história de protagonismo e transformar cenários, mudando a vida das mulheres e das pessoas que vivem ao seu entorno. Mulheres empreendedoras são fundamentais para que ocorram as mudanças sociais que queremos ver no mundo. A presença feminina ainda contribuir para a inovação dos projetos, pois elas vêm com uma maneira própria de realizar negócios e de servir ao mundo.

Além disso, incentivar o empreendedorismo feminino faz com que nossa economia cresça. Não são poucos os exemplos de mulheres que se destacaram com seus projetos, gerando renda e empregos locais, fazendo crescer a economia de sua cidade e país.

Termino esta reflexão dizendo que o empreendedorismo feminino, embora todos os desafios que existam na sociedade e no mundo corporativo, está trazendo mudanças ao mundo com projetos que impactam socialmente e economicamente nosso país.

Posso dizer que o movimento do Capitalismo Consciente também está associado a busca de maior diversidade e inovação nas empresas e o movimento empreendedor feminino é um dos caminhos para que possamos valorizar as pessoas e buscar a diversidade e inovação que tanto queremos vivenciar neste século.

Valorize os projetos femininos! Compre, divulgue e invista em negócios gerenciados por mulheres. O protagonismo feminino é uma das formas para que possamos diminuir a diversidade de gênero no mundo.

Eliane Davila dos Santos

Embaixadora Certificada do Movimento Capitalismo Consciente no Brasil

PhD em Processos e Manifestações Culturais

Pesquisadora do Empreendedorismo Feminino